Plan International Brasil 11 4420.8084

Plan International lança campanha #HelpIndiaHeal diante da piora na situação da COVID-19

Tempo de leitura: 3 minutos

Plan International lança campanha #HelpIndiaHeal diante da piora na situação da COVID-19

Ações estarão concentradas em cinco frentes com ajuda humanitária e direta para profissionais envolvidos no tratamento de pessoas com a doença

Como os casos de COVID-19 continuam aumentando na Índia, o país, que está passando por uma emergência de saúde pública, precisa desesperadamente de ajuda. Diante disso, a Plan International lançou a campanha #HelpIndiaHeal, com um apelo de arrecadação de fundos para ajudar a enfrentar esta crise humanitária. O plano da campanha prevê assistência nas seguintes áreas:

Ajuda Alimentar – A Plan International está arrecadando fundos para apoiar 100 mil famílias vulneráveis em comunidades rurais e urbanas, oferecendo cestas básicas;

Proteção para profissionais que lutam contra a COVID-19 – A organização tem como objetivo apoiar 100 mil médicas/os, enfermeiras/os, profissionais de saúde da linha de frente, equipes de polícia, saneamento e outras/os profissionais que utilizam equipamentos de proteção individual (EPI) para permitir que elas/es possam continuar oferecendo seus serviços às/aos pacientes vítimas da COVID-19;

Campanha de conscientização em massa – A Plan International apoiará um milhão de meninas adolescentes, meninos e mulheres jovens em 1.800 comunidades para aumentar a conscientização sobre como prevenir a disseminação da COVID-19, inclusive o combate aos tabus e mitos sobre a vacinação;

Concentradores de oxigênio para pacientes vítimas da COVID-19 – Forneceremos a 500 centros de cuidados e tratamento da COVID-19, tanto em sedes distritais quanto em cidades menores, máquinas concentradoras de oxigênio de alto fluxo para que estes lugares possam dar suporte às/aos pacientes vítimas da COVID-19 que precisam de oxigênio complementar;

Apoio a 10 mil pacientes vítimas da COVID-19 de comunidades vulneráveis de 20 regiões por meio da criação de centros de cuidados de COVID-19 temporários onde as pessoas podem ter acesso a cuidados, tratamento e nutrição.

Mohammed Asif, diretor executivo da Plan International Índia, disse: “A segunda onda da pandemia de COVID-19 na Índia gerou uma crise de saúde pública sem precedentes. Nosso sistema de saúde está sobrecarregado por um fluxo interminável de pacientes vítimas da COVID-19, que procuram assistência médica e oxigênio. Precisamos nos unir e agir imediatamente para aliviar o sofrimento de um grande número de pessoas afetadas pela COVID-19”.

“Nosso projeto #HelpIndiaHeal busca oferecer a tão necessária assistência humanitária às famílias vulneráveis. Durante a pandemia, meninas e crianças foram algumas das pessoas mais afetadas. Estas pessoas estão não só com a saúde ameaçada devido ao vírus, mas também há outros impactos, como, por exemplo, a educação das crianças, o risco de casamentos precoces, a violência doméstica, o trabalho infantil e a perda dos meios de sustento. Estamos planejando apoiar pelo menos um milhão de famílias vulneráveis que vivem em áreas urbanas e rurais em toda a Índia para mitigar o impacto da COVID-19 em suas vidas.”

No Brasil, a Plan International realizou no ano passado o Plano de Resposta Humanitária, composto por quatro frentes: assistência humanitária, proteção contra violências, fortalecimento dos direitos sexuais e reprodutivos e participação ativa de jovens, com a formação de um comitê de meninas para a discussão dos impactos da pandemia. Foram distribuídas 480 toneladas de alimentos em cestas básicas e cartões-alimentação para mais de 12 mil famílias. Além disso, a Plan International Brasil também entregou 70 mil máscaras recebidas por meio da campanha Heróis Usam Máscaras e 83 mil absorventes e protetores diários junto com cartilhas sobre menstruação, direitos sexuais e reprodutivos para meninas e mulheres. Já a campanha #QuarentenaSimViolênciaNão reuniu mais de 100 organizações públicas e da sociedade civil para garantir a proteção de crianças e adolescentes que foram mais expostas ao risco de violências durante a pandemia de COVID-19.